23 de setembro de 2015

Governador do Maranhão critica greve dos policiais: 'não é razoável'

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou as redes sociais nessa terça-feira (22) para criticar a greve dos policiais civis do Estado. Desde a última sexta-feira (18), a categoria retornou à paralisação em todo o Maranhão para solicitar reajustes no salário. Peritos e delegados não aderiram à greve. Em todo o Estado, são 2.116 policiais civis.
“Não é razoável greve por conta de reivindicações a serem debatidas em 2016. Com o detalhe de que a classe tem aumento de remuneração em 2015”, diz o governador. “Greve é recurso extremo, excepcional, especialmente quando envolve serviços essenciais à população. Por isso, peço razoabilidade”, completa.
O governo afirma que os servidores da Polícia Civil receberam aumento de salários, com ganhos reais que chegam a R$ 1,5 mil, incremento de 30%. Segundo o governo, as remunerações ficaram em R$ 4.900,90 em início de carreira e R$ 6.829,71 aos de nível mais alto; e garante que o reajuste influiu sobre benefícios como verbas de retribuição por Exercício em Local de Difícil Provimento, auxílio alimentação, adicional noturno (10%) e adicional de insalubridade (30%). Além disso, diz que concedeu abono de permanência e Gratificação de Natureza Técnica (GNT).

Contra-ataque
Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (23), o presidente Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol-MA), Heleudo Moreira, rebateu as declarações do governador Flávio Dino. “Não é razoável por parte dele privilegiar algumas classes, algumas categorias. Se o governador não fosse levado pela vaidade, se ele assumisse e recebesse a categoria, ele poderia corrigir distorções ampliadas no seu governo”, declarou.
De acordo com o Sinpol-MA, o salário de um policial civil em início de carreira chega a R$ 3 mil, e continuará assim até 2016. Já o salário de um delegado em início de carreira, segundo o sindicato, é atualmente de R$ 16 mil e, com acréscimo até o início do segundo semestre 2016, pode chegar a R$ 19 mil

De: G1
Zé Doca em Foco



Nenhum comentário: